O Data Center em 2025: o futuro é hoje

Uma das vertentes fundamentais do data center do futuro é a Edge Computing
 

20 September 2019 escrito por Fernando Garcia

O Data Center em 2025: o futuro é hoje
Fernando Garcia, vice-presidente da Vertiv América Latina
Em 2014, realizamos em estudo sobre como seriam os Data Centers em 2025. Cinco anos mais tarde uma nova pesquisa foi feita (Data Center 2025: Mais Próximo da Edge). A meta era dar sequência ao levantamento anterior e identificar os novos desafios do mercado de data centers.
 
Quando falamos de “data center”, é necessário especificar a que tipo de instalação estamos nos referindo. Por exemplo, falamos sobre a Cloud Privada/Central Corporativa situada em instalações próprias? Ou nos referimos a Hyperscale/Cloud Pública? Ou o foco seria em Computação de Alto Desempenho, Colocation? Ou, finalmente, em uma instalação remota de Edge Computing? Ainda que tanto as características físicas quanto as funções de cada um desses perfis sejam diferentes, todos os data centers são parte de um ecossistema integrado e interconectado, preparado para atender as demandas do mundo digital em que vivemos.
 
Uma das vertentes fundamentais do data center do futuro é a Edge Computing. Nesse modelo, utiliza-se uma arquitetura onde os dados e as aplicações são levados para mais perto do usuário. Como resultado, a latência que se obtém é menor, a confiabilidade é maior e a segurança da rede wireless, consideravelmente melhor.
 
No estudo realizado em 2019, mais da metade (53%) dos participantes estima que a quantidade de sites de Edge Computing para os quais dão suporte crescerá pelo menos 100%. 20% acreditam que haverá um aumento de 400% ou mais. Além disso, espera-se que os atuais 128.233 sites de Edge Computing que existem hoje passem para 418.803 em 2025, o que representa um crescimento de 226%.
 
Esses números indicam que a configuração, implementação e gerenciamento dessa crescente rede de sites pressionarão as organizações de TI. Nesse quadro, é fundamental implementar opções de configuração padronizadas e ferramentas de gerenciamento remoto para coordenar os processos e minimizar a necessidade de assistência técnica no site.
 
A pesquisa investigou, também, os principais casos de uso da Edge Computing:
 
· Aplicações com uso intenso de dados: nesse perfil, a quantidade de dados faz com que não seja prático transferí-los através da rede diretamente para a cloud, ou da cloud para o ponto de consumo do dado. Alguns exemplos de casos de uso intense de dados incluem as fábricas inteligentes, as cidades inteligentes, a entrega de conteúdo em alta resolução e a realidade virtual. Quarenta e dois por cento dos participantes da pesquisa identificaram essas aplicações como sendo sua principal necessidade de dados em 2025.
 
· Aplicações sensíveis à latência humana: essa categoria inclui os casos de uso onde os serviços são otimizados para o consumo humano ou para melhorar a experiência humana com serviços tecnológicos. Alguns exemplos incluem a realidade aumentada, o varejo inteligente e o processamento de linguagem natural. Vinte por cento dos participantes da pesquisa identificaram essas aplicações como sua principal demanda de dados em 2025.
 
· Aplicações sensíveis à latência máquina-a-máquina: essa categoria inclui os casos de uso onde os serviços estão otimizados para o consumo de máquina a máquina. Como as máquinas podem processar dados rapidamente, é necessária uma comunicação de baixa latência para dar suporte a esse tipo de aplicação. Isso inclui arbitragem, segurança inteligente e rede elétrica inteligente (smart grid). Vinte e dois por cento dos participantes identificaram essas aplicações como sendo sua principal necessidade de dados em 2025.
 
· Aplicações críticas para a vida: essa categoria compreende os casos de uso que afetam diretamente a saúde e a segurança das pessoas. Provavelmente os melhores exemplos do arquétipo crítico para a vida sejam os veículos autônomos e a saúde digital. Dezessete por cento dos participantes da pequisa identificaram essas aplicações como sendo sua principal necessidade de dados em 2025.
 
A pesquisa mostrou, ainda, que na América Latina, o principal caso de uso de Edge Computing é o modelo de uso intenso de dados no edge – 54% do universo pesquisado – ,seguido pelas aplicações sensíveis à latência humana – 2%.
 
A implementação da rede 5G será fundamental para atender aos casos de uso de Edge Computing, pois proporcionará maior largura de banda e baixa latência. Segundo os participantes desse estudo, a rede 5G possibilitará a construção de cidades inteligentes, segurança inteligente, transporte inteligente e o desenvolvimento de veículos autônomos e conectados. As cidades inteligentes receberam o maior percentual de respostas na China (78%) e América Latina (72%), enquanto a segurança inteligente recebeu o mais percentual de respostas na América Latina (71%) e Estados Unidos/Canadá (68%).
 
Para que qualquer uma dessas previsões se torne realidade, os data centers precisarão de uma infraestrutura flexível e confiável para aceitar as novas tecnologias.
 
Por exemplo, para oferecer um serviço ininterrupto aos usuários, as instalações dos data centers atuais e do futuro devem contar com sistemas de gerenciamento térmico e de gerenciamento de energia preparados para fazer frente às exigências técnicas de data centers de qualquer tamanho. Hoje, esses sistemas têm sido favorecidos por inovações tecnológicas que agregam inteligência para a comunicação máquina-a-máquina e simplificam o gerenciamento remoto.
 
Em 2025, novas tecnologias, novas infraestruturas e novos desafios estarão no mercado, sempre com o mesmo objetivo: proporcionar soluções rápidas, simples e que estejam próximas das aplicações e dos dispositivos utilizados na vida diária das pessoas.
 
 
*Fernando Garcia é vice-presidente da Vertiv América Latina.
 

CONECTAR-SE COM DCD

ENTRAR


Esqueci a senha?

Criar conta MyDCD

Você precisa de profissionais qualificados?

regiões

region LATAM y España North America Europe Em Português Middle East Africa Asia Pacific

Whitepapers Ver Todos